Nos Bastidores do Blog

Minha foto
Rosangela Enéas é publicitária, especialista em docência no ensino superior, escritora ghost writer e master coach. Como empreendedora responsável pela Unicórnio Autorias de Pensamento, vem ao longo de aproximados dezoito anos, mantendo o foco em Marketing de Conteúdo utilizando técnicas de Coaching como base metodológica para prestar serviços dentro de suas competências.

21/09/2018

O Seu Conhecimento é Comum, Mítico, Filosófico ou Científico?

"O tempo não apaga a história. Sob os escombros da terra a arqueologia encontra registros do que aconteceu antes de nós. É só escavar. E mesmo que as palavras neguem, as evidências estão aí para serem estudadas." (Prof. Rodrigo Pereira da Silva)

O Seu Conhecimento é Comum, Mítico, Filosófico ou Científico?


Os tipos de conhecimento que vem atravessando a história são:
  • SENSO COMUM que, como o próprio nome sugere, é o conhecimento que vem sendo transmitido de geração em geração. No contexto social, o conhecimento de senso comum, é formado pelo conhecimento popular, ou seja, o que serve de auxílio para a resolução rápida dos problemas cotidianos;
  • MÍTICO OU RELIGIOSO é um conhecimento também acrítico e, mantido desde os tempos primórdios. Sua existência persiste e se propaga através de alguma pessoa, que seja considerada como autoridade religiosa; 
  • FILOSÓFICO é um conhecimento de essencial importância devido a necessidade de ampliar a visão de mundo, por intermédio de perguntas problemas (reflexões) sem a necessidade de que as respostas (hipóteses) sejam necessariamente alcançadas e;
  • CIENTÍFICO é o conhecimento feito por intermédio do uso da razão metodológica. Agrega todos os conhecimentos anteriores, fazendo com que eles evoluam e se fundamentem.
A título de engrandecer este post, realizei uma pesquisa no YouTube, com a ideia de conseguir exemplificar o quanto os conhecimentos citados são interdependentes e culminam no embasamento do último (científico).

Para tanto, convido você a assistir o vídeo abaixo, de autoria do professor de arqueologia Rodrigo Pereira da Silva, ao mesmo tempo que proponho o desafio de você deixar nos comentários, quais os tipos de conhecimento percebidos e, como você conseguiu perceber essa relação ;)

Conheça Seu Público


Você quer conhecer seu público mais de perto?
Conheça Seu Público

Se você está gerenciando uma empresa, atuando como empreendedor ou pretende prestar serviços de Marketing de Conteúdo como terceirizado, redigindo por exemplo, artigos para uma publicação de revista, reciclar os conteúdos mantendo-os sempre atualizados e diversificados, será a forma mais assertiva para gerar leads a seus clientes.

Você sabe o que dizem, "conteúdo é rei", então ao gerar mais leads para o tópico em questão é uma maneira eficiente de transformar seu artigo em um conteúdo promissor.

Leads pode ser entendido como atitudes internautas, ou seja, as pessoas que visitam um espaço na Internet (site, blog, rede social, outros) após encontrar um conteúdo de interesse (um anúncio, uma imagem, um vídeo, outros) realiza algum tipo de ação que gere aproximação (entrar em contato, curtir, compartilhar, comentar, outros) com o autor/marca.

Resumindo: leads é o nome que se dá às ações das pessoas que demonstram interesse por um conteúdo e, por conta, geram resultados para o autor/empresa.


Para conhecer o seu público mais de perto, analisar seus leads e monitorar os resultados com as ferramentas disponíveis em plataformas digitais, como o Google Analytics, o Facebook ou o Google Adwords. 

A monitoração se compara à fase de revisão textual e, como tal, serve também para elaborar sempre novas estratégias que consigam dentro do seu planejamento, otimizar os pontos fortes e minimizar os pontos fracos, adotando como meta a obtenção de melhorias em suas taxas de conversão (leads).

A partir desses pontos, será possível que você calcule o Return Over Investimento (ROI), ou seja, fazer o cálculo do custo benefício dos seus esforços em Marketing de Conteúdo.

No meu livro "E-books: A Escrita Com Alma Digital" eu explico e exemplifico tais cálculos e, também dou várias dicas a respeito. Não deixe de conferir por aqui

A Importância da Newslatter


Divulgar um conteúdo de valor, é a cereja que falta no seu bolo?

A Importância da Newslatter
Escrever, qualquer criança alfabetizada consegue. "Copiar e colar", também.

Mas, quando o assunto é conteúdo de valor, ou seja, que realmente desperte o interesse das pessoas pela originalidade do autor, é outra história.


O problema começa com a urgência que a maioria de nós, empreendedores, temos em captar e, depois, fidelizar nossos clientes. Escrever um bom conteúdo, demanda tempo e este, dinheiro. E, quando se trata de newslatter então...nem se fala!

Isso porque, a newsletter - ou, boletim informativo, como é conhecida - é uma excelente ferramenta que, quando bem direcionada, é capaz de despertar e manter o interesse das pessoas no seu negócio mas, no caso inverso...você corre o risco de "virar spam", colocando assim, muito a perder.

Devido sua característica de eficácia comunicativa, tanto para captar clientes, quanto para fidelizá-los, as newslatters, além de converterem leads, normalmente são de baixo ou nenhum custo.

Resumindo: Newsletters é o nome que se dá a qualquer texto que você deseja compartilhar no meio digital ou físico, com a ideia de alavancar o seu Marketing mas, para obter sucesso nessa empreitada, é indispensável elas sejam elaboradas respectivamente com:
  • Relevância informativa;
  • Estrutura própria;
  • Designe cativante e;
  • Obediência periódica.
Precisa de auxílio para elaborar as suas newslatters? Seu contato está sendo aguardado!

O Universo dos Papeis Brancos


"Eu escrevi na areia, em folhas de papel, em bits e nos corações. Agora, eu quero escrever nas estrelas". - Augusto Branco

O Universo dos Papeis Brancos

Se você está gerenciando uma empresa, atuando como empreendedor ou pretende prestar serviços de Marketing de Conteúdo como terceirizado, redigindo por exemplo, artigos para uma publicação de revista, reciclar os conteúdos mantendo-os sempre atualizados e diversificados, é a principal função de um "papel branco" ou whitepaper, em inglês.
"Um whitepaper é um relatório persuasivo, autoritário e detalhado sobre um tópico específico que apresenta um problema e fornece uma solução. Os profissionais de marketing criam documentos técnicos para educar seu público sobre um assunto específico ou explicam e promovem uma metodologia específica. Eles são guias avançados de solução de problemas." - Lindsay Kolowich
Com o objetivo principal de informar e persuadir a partir de um plano de negócios que se baseie na situação real (evidências) do negócio empreendido pela pessoa ou empresa; os whitepapers se diferem dos demais post que passeiam pelas redes e templates, devido as diferenças de extensão (tamanho), aparência de seriedade de conteúdo e; no tempo que deva ser investido em sua elaboração.

Assim, com características "menos chamativas" e "mais sistêmicas", os whitepapers precisam ser melhores trabalhados do que os artigos que se vê, por exemplo, nas redes sociais. 

Acompanhe este vídeo, para entender melhor:


Precisa de auxílio na construção do seu whitepaper? Seu contato está sendo aguardado!

Escrever E-books: Autoria e Reconhecimento


Você deseja ser reconhecido como autor ou, apenas deseja que os seus produtos/serviços sejam reconhecidos no mercado? Seja qual for a sua escolha, o e-book, enquanto mídia de grande alcance, pode ser uma excelente opção!

Escrever E-books: Autoria é Reconhecimento

Espaços interiores reduzidos, maior praticidade no manuseio, baixo custo para aquisição, grande variedade em escolhas, formato atrativo, maior durabilidade, facilidade de compartilhamento, novas tecnologias para armazenamento e, mais uma infinidade de atrativos, fazem com que hoje, os e-books ganhem cada vez mais espaço no mercado literário.


"Escritor: não somente uma certa maneira especial de ver as coisas, senão também uma impossibilidade de as ver de qualquer outra maneira". - Carlos Drummond de Andrade

Caracterizado como uma extensão para qualquer tipo de assunto ou gênero literário que você domina, os e-books são escolhas excelentes para pessoas ou empresas que almejam ganhar mais espaço no mercado, recebendo o merecido reconhecimento em seus produtos/serviços/autorias, geração de leads e fidelização de público.

Nesse sentido, algumas pessoas confundem essa mídia com os whitepapers, mas, para colocar um ponto final na hora de optar por um ou, pelo outro vale lembrar que apesar dos e-books serem também oriundos - em sua grande maioria - de pesquisas mais aprofundadas sobre determinado tema, alcançam mais pessoas pela "sua leveza de linguagem" ou, em outras palavras, por ser menos técnico/científico que um whitepaper.

Esse fato que, de forma óbvia, deve sempre estar alinhado a um conteúdo gerador de valor, costuma causar nos leitores uma impressão/sensação de aproximação com o autor/empresa, e isso, aumenta a possibilidade para que o público adote a ideia de que "tal empresa/autor".

Resumindo: 
  • E-book é o nome que se dá a um livro digital, de bom conteúdo (escrito e/ou inspirado em especialistas); 
  • Costuma apresentar de 2.000 a 3.000 caracteres (se, assunto sobre negócios); 
  • É composto a partir da contextualização de ideias e palavras que objetivam bons resultados para o leitor;
  • Após publicado, sua maior meta é compartilhamento intuindo que leitores gerem leads e deem maior reconhecimento para a(s) autoria(s) e/ou marca(s).
Que tal saber mais a respeito e, começar hoje mesmo a escrever seu e-book? Escrevi um livro a respeito e gostaria muito de compartilhá-lo com você! Clique aqui para ler a sinopse ;) 

20/09/2018

Auto Reflexão Para Obtenção de Resultados


Textos, áudios e imagens que podem ser flexíveis (adaptáveis) para mídias são reconhecidos como "conteúdos de valor", quando possuem relevância frente aos quesitos quesitos educar, informar e/ou entreter públicos específicos.

Marketing de Conteúdo é....Conteúdo!
Dessa forma, atrair clientes, fidelizá-los e obter lucros a partir de ações estratégicas - normalmente elaboradas primeiro no formato de escrita digital - passou a ser o foco principal dos empreendedores.

Todavia, sem organização mental prévia (auto reflexão) qualquer ação perderia seu caráter estratégico, dificultando assim o encontro de bons resultados. 

Como saber o melhor caminho, sem antes saber exatamente aonde você quer chegar?  


Se você é uma das muitas pessoas que ainda se encontram com essa dúvida, aceite o convite de fazer/seguir o exercício (roteiro) deste post. Ele se refere a uma prática auto reflexiva utilizada em Coaching, visando a obtenção de resultados mais direcionados (eficazes):   

A) Reflita e Responda:
1. Qual o tipo de negócio que você gostaria de começar a empreender daqui a algum tempo?
2. Qual o tipo de negócio que você acredita poder começar a empreender hoje?
3. Em relação à comunicação escrita, quais são seus pontos fortes?
4. Em relação à comunicação escrita, quais são os seus pontos fracos?
5. Para conseguir começar a empreender na sua ideia hoje, o que você já tem a seu favor?
6. Para conseguir começar a empreender nessa mesma ideia em curto espaço de tempo ao invés de ser hoje, o que você acredita precisar fazer em relação a sua comunicação escrita para obter boas estratégicas de Marketing de conteúdo?

B) Anote as ações que você decidiu realizar a partir de todas as suas respostas anteriores em folha a parte e, organize sua agenda de forma a concretizá-las.

Gostaria de obter maior auxílio nesse sentido? Seu contato está sendo aguardado! 





Slideshare: A Comunicação Sempre Online


Você deseja compartilhar apresentações mais dinâmicas para atrair um público específico? esse é apenas um dos motivos para que você conheça a plataforma do Slideshare. Quer mais? Confira neste post!
Slideshare: A Comunicação Sempre Online

O Slideshare é uma rede social, mas, fique atento(a)! Se você espera obter sucesso nessa plataforma que recebe em média, 58 e oito milhões de usuários únicos por mês (segundo dados do TechCrunch), será preciso que direcione seu foco de forma que consiga "inspirar/instigar" seu público.

Em 3 de Maio de 2012, o Linkedin resolveu comprar o SlideShare, pagando por ele um valor bem representativo, de onde pode-se concluir que com certeza, essa rede, desde antes dessa época, prometia - e cumpriu! - ser uma grande oportunidade de negócio:
"O LinkedIn, a mais famosa rede social corporativa, anunciou seus ganhos do primeiro trimestre de 2012 nesta quinta-feira (03/05). Junto com essa informação, veio a notícia da compra da SlideShare, uma rede social voltada para o compartilhamento de apresentações em vídeo, slides ou documentos. A aquisição, que deve ser concluída até o segundo trimestre de 2012, custou US$118,75 milhões (cerca de R$225 milhões) aos cofres do LinkedIn, sendo 55% em ações e os outros 45% em moeda, segundo o jornal The Wall Street Journal. A SlideShare foi lançada há cerca de 5 anos e conta com 29 milhões de usuários únicos por mês. Já o LinkedIn tem 161 milhões de membros - destes, 117 milhões são ativos na rede social. (DIGITAL, Olhar. LinkedIn compra SlideShare, rede social para compartilhar apresentações." (Disponível em: <https://olhardigital.com.br/noticia/linkedin-compra-slideshare,-rede-social-para-compartilhar-apresentacoes/25972>. Acesso em: maio/2018.)
Provavelmente, o maior - e melhor! - motivo para que você comece a pensar a utilizar essa estratégia com o Marketing de Conteúdo, será conseguir diminuir a sua concorrência, posto que a maior parte das pessoas/empresas ainda tem direcionado maiores esforços em outras redes sociais.

Vale acrescentar aqui, alguns motivos, capazes de fazer com que você opte a começar - ou continuar de forma mais assertiva - a investir nessa rede:

  • O público assíduo do Slideshare "sabe o que quer", ou seja, tem por costume fazer pesquisas especificas dentro do segmento que lhe interessa.
  • Interação não é a palavra chave para essa rede, ao contrário das demais. A audiência por lá "roda" vinte e quatro horas online. A rede cuida dessa "tarefa" por você.
  • Como essa plataforma permite que você crie um perfil, o tráfego para o seu site/blog é naturalmente gerado.
  • Conquistar leads via Slideshare também não é uma tarefa complicada, porque por lá existe uma ferramenta criadora de formulários que, você poderá deixar disponível.

Vale lembrar que estamos falando de slides e que esses, por sua vez, são imagens informativas, ou, em outras palavras, são comunicações visuais. Nesse sentido, "menos" sempre será "mais"...deixe que as imagens falem por si mesmas, concentrando-se apenas no alinhamento dos conteúdos.

Conhecida mundialmente como sendo uma das redes mais fascinantes para contar histórias é ideal para que você autor a utilize para despertar nas pessoas, o interesse pela leitura de suas obras!



Infográficos: Uma Chance de Cativar o Mercado


Você deseja compartilhar informação com dinamismo, com a meta de cativar leitores em potencial? Então, seja bem vindo ao universo dos Infográficos!
Infográficos: Sua Chance Para Cativar o Mercado

Estudos já comprovaram que os leitores (internautas ou não) preferem conteúdos que apresentem imagens a ele correlatas, dentro de um mesmo espaço (foto, post, slides, outros).

Isso porque, o agrupamento de textos e ilustrações facilitam a compreensão e a memorização do que está sendo analisado e, essa é a "grande sacada" estratégica dessa ferramenta poderosa de Marketing de Conteúdo!

Você, conhecendo bem o "estilo literário" do seu público, conseguirá, além de cativá-lo, despertar-lhes a atenção para pensamentos, ideias e palavras novas que, poderão interessá-los também, fazendo com que, em médio ou longo prazo, possa haver inclusive, uma nova oportunidade de negócios para você ou sua empresa, de forma que aproveite o mesmo público. Genial?! Muito!!

Há vários tipos de infográficos e também formas criativas disponíveis para que você consiga elaborar o seu. Motivos para fazer isso? Confira alguns:


1. São visualmente mais agradáveis para o leitor, ainda que o assunto que estejam tratando, for sério ou "desconfortável" em demasia, como por exemplo, sobre doenças ou índices inflacionários. Caberá a você saber trabalhar cores e objetos que contrastem de forma positiva, para que no contexto geral, possa haver um equilíbrio suficiente - boas notícias x notícias não tão boas - a ponto de manter seu leitor "antenado".

2. Se o item anterior conseguir o sucesso esperado, prepare-se para perceber que o seu infográfico se tornou "viral", uma vez que compartilhar imagens tem sido uma das ações mais realizadas hoje em dia, nas mais diferentes redes e mídias sociais.

3. Se o item n° 1 e 2 acontecerem, você/sua empresa alcançará rapidamente posições mais altas nos buscadores como Google, Yahoo e outros.

4. Se todos os itens anteriores acontecerem, estudos mostram que o tráfego do seu site ou blog aumentará em até 12% em curto espaço de tempo.

E então? A que ou a quais conclusões você chegou ao ler este post

Você acredita que criar um infográfico valerá a pena dentro do seu nicho de negócio? Deixe seus comentários!

Aparecer de Forma Certa, No Momento Certo e, Para a Pessoa Certa


Entender o que e, quais seriam os esforços que devem ser produzidos em Marketing de Conteúdo, fará com que você/sua empresa, atinja metas com maior facilidade mas, nem por isso, com menores esforços!
Esforços de Marketing de Conteúdo

Aparecer de forma certa, no momento certo e, para a pessoa certa...seria essa a sua meta? 

Se a sua resposta foi afirmativa, você precisa conhecer o "mix" de Marketing, para entender os esforços que devam ser nele empreendidos e, fazer essa "magia" acontecer!

Para que você compreenda melhor sobre os esforços que o Marketing de Conteúdo aplica com o objetivo de alcance de metas, tomarei como base a conceituação dos "4 Ps" - Produto, Preço, Promoção e Praça - elucidado por Philip Kotler ("o pai" do Marketing):

Todo Produto/Serviço, pela lógica, possui um ciclo de vida próprio. Dessa forma, aqui os esforços são aplicados respectivamente, no sentido de entender, contornar e, contextualizar conteúdos; para que as dificuldades sejam substituídas por soluções mais viáveis.

O Preço do produto/serviço é afetado de forma direta ao "como você o vende" e portanto, mais relacionado com o valor nele agregado, do que propriamente ao seu custo real. 

Fazer com que o seu cliente consiga ver além do que você está oferecendo, ou, em outras palavras, fazer com que o benefício seja maior que o custo aos olhos do seu público alvo, é outro esforço aplicado.

Promover algo é movimentar atrativamente seus aspectos comunicativos. Assim, o conjunto de estratégias e táticas previamente elaborado em um Plano de Ação, é outro esforço funcional.

Uma Praça na linguagem do Marketing, é sinônimo da forma como seu produto/serviço será fornecido ao seu público, ou seja, como ele será distribuído, quais mídias deverão ser utilizadas, quais as formas para que o cliente final tenha acesso a ele(s), outras. 

Resumo: Todos os esforços do Marketing de Conteúdo objetivam a busca do equilíbrio entre os 4 "Ps", de forma que estratégias de Marketing possam ser continuamente melhoradas/adaptadas/recicladas, com o objetivo de que você/sua empresa, alcancem as metas propostas.

O Marketing de Conteúdo na Produção de Vídeos


Quando se pensa em Marketing de Conteúdo, é comum que se idealize apenas bons textos, esquecendo o fato de que conteúdos de texto encontram-se inseridos em todo e qualquer tipo de mídia, ainda que possam estar ocultos à visão, como é o caso dos vídeos (sem legenda), posto que de alguma forma, foram construídos a partir de roteiros.
Videocasts e o Marketing de Conteúdo

Devido principalmente à rede social "YouTube", os vídeos hoje vem ocupando no ranking dos mecanismos de buscas, nada mais nada menos, do que o segundo lugar, o que os torna uma excelente estratégia de Marketing.

Podendo em grande parte funcionar como forma de influência subliminar, o produtor do(s) vídeo(s) que souber transmitir emoções junto aos seus conteúdos, certamente conquistará audiência em curto espaço de tempo.

Devido aos avanços tecnológicos, gravar, editar e postar um vídeo está ao alcance de todos, não necessitando de produções de custos altíssimos, como era antigamente. 

Penso em auxiliar você em suas novas produções, escrevi este post com propostas sobre algumas regras básicas, muito úteis de serem seguidas, em seus momentos de gravação:

  • Grave vídeos com, no máximo, 3 minutos de duração - a não ser que seu conteúdo seja, por exemplo, um tutorial - porque estudos apontam que os internautas, de forma inconsciente, acompanham as mensagens na mesma velocidade do meio em que estão agindo, e assim, eles "tem pressa de busca", desejando obter muita informação em pouco tempo. Sendo assim, elaborar os primeiros minutos do seu vídeo "como se fossem os últimos" (prender a atenção) é o mais indicado.
  • Leve em consideração todos os conteúdos que farão parte do seu vídeo - áudio (música/texto falado), imagens, efeitos (sem exageros!) e iluminação - lembrando de contextualizá-los com a emoção que seu tema/assunto sugere.
  • Assista sua própria produção, colocando-se no lugar do telespectador, com o olhar mais crítico possível, considerando os seus sentimentos - bons ou ruins - como sendo iguais aos do seu público.

Seguir o básico acima em minha opinião, fica mais fácil se você imaginar que estará contando uma história, que poderá - ou não - funcionar nos seguintes sentidos:

  • Como uma propaganda (ex: um comercial televisivo)
  • Como uma chamada viral (ex: um vídeo engraçado, emocionante ou excessivamente dramático)
  • Como uma aula (ex: tutoriais)
  • Como uma série (ex: mine tutoriais interdependentes)
  • Como uma publicidade (ex: animações que divulguem conceitos)

Aproveitar os recursos disponíveis em redes específicas, como "YouTube" ou Vímeo", aplicando-os em paralelo aos conceitos que você já conseguiu apreender sobre Marketing de Conteúdo, com foco no seu objetivo profissional, certamente será uma ótima escolha.

Gostaria de receber maior auxílio para elaborar roteiros de videocasts? Seu contato está sendo aguardado!


Diferenças entre Marketing de Conteúdo e o Marketing Digital


Marketing e Conteúdo é Marketing de Conteúdo
"[...] Philip Kotler, o grande pai do marketing, como é conhecido, o define como um processo social, no qual indivíduos ou grupos obtêm o que necessitam e desejam por meio da criação, oferta e troca de produtos de valor com os outros. Já Conteúdo se trata de uma tarefa abrangente e complexa, porém, se pudéssemos definir em uma palavra, certamente a mais indicada seria informação. Assim, conteúdo deve ser entendido como um emaranhado de dados que deverá passar por um filtro, ser organizado e estruturado para então chegar ao seu destinatário de forma correta para atraí-lo a uma ação." (Humantech. Marketing de conteúdo. Disponível em <http://universidade.humantech.com.br/marketing-de-conteudo>. Acesso em: maio/2018).

A partir dessa citação, fica mais fácil entender que Marketing de Conteúdo se difere de Marketing Digital, embora dele dependa para elaborar planos de ação entre os quais, segundo Claudio Torres (autor do best-seller “A bíblia do Marketing Digital”) destacam-se, além do próprio Marketing de Conteúdo: "marketing nas mídias socias, e-mail marketing, marketing viral, publicidade on-line, pesquisa on-line e monitoramento." (Humantech. Marketing de Conteúdo. Disponível em <http://universidade.humantech.com.br/marketing-de-conteudo>. Acesso em: maio/2018).

Nesse sentido, pode-se destacar as seguintes aplicações para os conteúdos:
  • Mecanismos de busca (Inbound Marketing)
  • Blogs e sites;
  • Infográficos
  • Podcasts e Videocasts
  • E-books
  • Redes Sociais
  • Webinars (eventos em tempo real)

No entanto, fatores essenciais como a organização e o planejamento prévio com foco nos conteúdos que se pretende compartilhar, serão sempre as peças chaves para a obtenção das metas desejadas. 


Podcasts: Emissoras Gratuitas de Rádio


Podcasts são arquivos multimídia que podem ser produzidos com baixo custo e com recursos não necessariamente avançados.
Que tal criar a sua emissora de rádio, grátis?


Aceitando diversos formatos, você autor, poderá utilizar essa mídia para expor seus conteúdos "como se fosse uma emissora", compartilhando assim trilhas musicais, comentários/opiniões em diversos assuntos e, obviamente, a narração de suas histórias (reais ou fictícias).

Esse "rádio personalizável" apresenta as seguintes características:
  • Semelhança aos blogs (funciona como um feed, com conteúdo de RSS)
  • Aceita vários formatos de áudio;
  • Conteúdos em linguagem formal ou informal (dependendo do público alvo);
  • Aceitação de tempo maior de gravação, quando comparado aos videocasts;
  • Improvisos são bem vindos (tanto no áudio, quanto no material multimídia disponível)

Deseja criar sua emissora? Há programas gratuitos, disponíveis para download, como o PodOmatic e/ou o Winamp Full que irão facilitar o seu trabalho na hora da publicação. 

Vale lembrar aqui que, para que seu podcast conquiste audiência, o uso da imaginação deve fazer parte da programação.

Transmita emoção!

Templates: Variedade e Emoção


Sites e blogs continuam recebendo a preocupação do Marketing de Conteúdo, mesmo que redes sociais como o Facebook, por exemplo, promovam páginas que podem ser utilizadas como esse tipo de recurso.
Templates: Variedade e Emoção

O que se percebe, é que tanto sites quanto blogs, ainda ocupam o primeiro lugar no ranking de facilidade em compartilhamento de conteúdo, sem que seus autores percam o foco na necessidade do controle e da reciclagem dos textos que produzem.

As antigas templates estáticas (pouca interatividade), vem sendo substituídas por novas tecnologias, cada vez mais atraentes, intuitivas e engajadas em negócios específicos.

Esse fato tem se mostrado como um verdadeiro desafio para os criadores de conteúdo, que, sem descanso, mantêm-se atualizados para conseguir acompanhar as velozes inovações tecnológicas, sem deixar escapar detalhes que possam prejudicar o Search Engine Optimization (SEO), ou seja, o conjunto de estratégias de inovação, que potencializa o posicionamento de um site ou blog nas pesquisas.

Muitos empreendedores saem em busca de "fórmulas mágicas" para conseguirem criar templates atraentes para seus targets. 

Eu mesma, muitas vezes, ingressei por esse caminho árduo, modificando o template do meu site várias vezes, na esperança de conseguir fazer "essa mágica".

Porém, a experiência me ensinou que o melhor caminho teria sido dar ouvidos a minha intuição, ou seja, o que para mim fosse atraente, teria maiores chances de atrair o meu público e, vice-versa.

Dessa forma, qual seria a minha proposta para você ?!

Bom...a palavra "template", quando traduzida, quer dizer "modelo". Proponho que você imagine então, que precise construir, por exemplo, uma página "serviços" para o seu site ou blog, mas, no momento está sem ideias sobre como começar a elaborá-la. Assim:

  1. Agilize o processo: faça uma busca utilizando palavras chaves específicas ao caso, sendo que a palavra "template", obviamente deverá ser uma delas.
  2. Entre os milhões de resultados diferentes que irão surgir em poucos segundos na tela do seu computador, escolha no máximo três e, em seguida, opte pelo que mais lhe chamou a atenção pela simplicidade, beleza e praticidade.
  3. Modifique-o, "com o seu jeito/linguagem" levando em conta: 
  • As necessidades do seu tipo de negócio; 
  • Os benefícios do editor hospedeiro; 
  • As páginas "serviços" de alguns sites concorrentes (diretos/indiretos);
  • Acrescente a sua intuição/emoção e, observe a página criada com "o mesmo olhar" do seu cliente em potencial. Para tanto, responda os seguintes questionamentos:

1. O que você deseja sentir quando visualizar essa página?
2. Quais dificuldades de interação você não gostaria de ter encontrado ao clicar essa página? O que poderá ser modificado à respeito?
3. As cores e o designe combinam especificamente, como o que? (história da sua empresa, seu logotipo, a sua história/gosto, as que a sua concorrência costuma utilizar, somente com a funcionalidade/técnica, outras combinações). Teria como incrementar?
4. O que você sentiu quando acessou essa página pela segunda vez? O que fazer à respeito?
5. Se você "cliente", pudesse dar um conselho favorável para a pessoa que elaborou o template dessa página, qual seria? Por quê?

Para finalizar este post, proponho ainda que você revise essa página dentro do contexto geral do projeto (site/blog) quando ele ainda não havia sido criado, ou seja, era somente uma ideia, para que "algo importante" outrora idealizado não caia no esquecimento, colocando todo o seu trabalho a perder.

17/09/2018

Relacionamentos Profissionais: Formas de Construção

Se você deseja conhecer mais pessoas que se interessem pelo que você escreve; estabelecer algumas estratégias de networking, incluindo-as na organização do seu plano de ação, fará com que você atinja esse objetivo de maneira mais rápida/eficiente..
Relacionamentos Profissionais: Formas de Construção
O mundo merece conhecer seu repertório, apreciar a sua criatividade bem como, a extensão do seu vocabulário. As muitas horas investidas em estudo e pesquisa que obrigatoriamente, fazem parte do seu trabalho como redator, escritor ou conteudista; possivelmente serão bem mais gratificantes e produtivas (melhor remuneradas), se você conseguir encontrar, novos meios - que não somente pela Internet - um público que tenha interesse específico no seu estilo de escrita. 
Nesse e em outros sentidos, pessoas físicas e jurídicas encontraram no "fazer networking" uma excelente alternativa.

Networking é a capacidade que uma pessoa/empresa tem de " [...] estabelecer uma rede de contatos (sistema de suporte) ou uma conexão com algo ou com alguém [...] onde existe a partilha de serviços e informação entre indivíduos ou grupos que têm um interesse em comum" (Disponível em: <https://www.significados.com.br/networking/ > acesso em maio/2018.)

Quando eu escrevi acima "que não somente pela Internet", foi com o intuito de fazer com que você cogite na possibilidade de utilizar esse meio, para incrementar suas estratégias de networking como por exemplo, promover eventos onde exista a possibilidade de um espaço (reserva de tempo, dentro do cronograma planejado) para que ele possa ser realizado.
 No entanto, "fazer networking", sem planejamento e organização prévios, poderá na melhor das hipóteses, resultar em insucesso de estratégia. Proponho assim que você opte por "trabalhar networking" ao invés de apenas fazê-lo, levando também em consideração, alguns fatores:
 Você/sua empresa tem/representa uma linguagem própria. Utilize-a em favor do alcance das metas a que se propôs. Você como profissional representante "das letras que escreve", durante as reuniões/encontros, precisa policiar a sua própria linguagem! Procure ver cada conversa travada,como uma oportunidade de expandir a sua rede de relacionamentos.

1. Você já ouviu aquela expressão popular que diz que "falar, até papagaio fala"? Para não cair nesse erro, lembre-se que em comunicação, quantidade não é sinônimo de qualidade. Fique atento(a) às expressões corporais/faciais da pessoa com quem você está conversando, para conseguir perceber se a sua conversa deve prosseguir, parar ou mudar de rumo.

2. Diz "a lenda" que escritores são boêmios (no sentido um tanto quanto pejorativo da palavra) e, pensando por esse lado, talvez seja oportuno lembrar que uma reunião/encontro de negócios, pode não ser o momento apropriado para comer e beber à vontade e/ou comer e beber mais ou na mesma quantidade que a pessoa com quem você esteja conversando. Assim, prestar atenção na forma como você mesmo está se comunicando, é fundamental. Dizem que "a primeira impressão é a que fica" e, se assim for, talvez você não tenha uma segunda oportunidade.

3. Para uma grande maioria de pessoas, conseguir ir além - se comunicar - de pessoas próximas ou mais conhecidas não é uma tarefa fácil. Tentar manter o equilíbrio entre a timidez e a descontração, sempre será uma escolha assertiva nessas ocasiões, ainda que, de forma natural, você passe a se sentir mais à vontade na medida em que a conversa for fluindo.

4. A ideia principal em um networking é que um contato deixe de ser apenas contato, para passar a ser um novo relacionamento. Dessa forma, procure controlar a ansiedade de conseguir o e-mail ou o whatsapp da pessoa com quem você está conversando e, de igual forma, não se mostre "desinteressado(a)" nesse sentido. Se realmente houver empatia entre vocês - fator essencial para um bom negócio - a troca de dados será uma coisa tão natural, quanto a solicitação e/ou o compartilhamento de informações que visam prestação de serviços.

5. O final de um evento de networking, é tão importante quanto o inicio ou o seu transcorrer. De nada adiantará você apenas guardar/arquivar os contatos que obteve, a título de cadastro e/ou levar muito tempo para retomar ou iniciar nova conversa. Como endosso do que escrevi no item anterior, proponho que você cultive seus novos relacionamentos, mesmo que para tanto, a inciativa parta de você. Lembre-se que nos dia atuais, você precisa conquistar o cliente, não bastando fazer apenas parte de suas memórias.

Seu Plano de Ação ainda não conta com mensuração suficiente, para que você trabalhe um networking? Vamos mudar isso? Seu contato está sendo aguardado!